Publicidade

Portabilidade do financiamento imobiliário: como funciona?

Saiba tudo sobre como fazer uma portabilidade de financiamento imobiliário e o quanto pode ser benéfico!

Por:

Publicidade

portabilidade do financiamento imobiliário

Você certamente já deve ter ouvido alguma coisa sobre portabilidade.

A prática é muito comum quando um determinado cliente quer transferir o seu número de uma operadora de telecomunicações para outra que apresenta melhores condições para esse cliente.

Mas você também pode fazer a portabilidade do financiamento imobiliário da sua casa própria.

Quer saber como? Vem comigo.

Por que eu deveria fazer a portabilidade?

Normalmente quando converso sobre portabilidade do financiamento imobiliário com alguns amigos a pergunta que eu mais ouço de volta é “Por que eu deveria fazer a portabilidade se nunca tive problema com a instituição em que estou?”.

A resposta é simples, porque você vai economizar, sem mais nem menos.

Essa é a resposta que me faz incentivar a portabilidade de financiamento. Entenda porquê.

Suponhamos que você tenha comprado a sua casa, terreno ou apartamento a um tempo.

Digamos que recentemente seja a poucos anos.

A economia brasileira está em crise e isso indica recessão das taxas de juros.

Com a queda da taxa Selic, a taxa de juros dos financiamentos imobiliários também caíram.

Contudo, por conta do contrato estabelecido no financiamento do imóvel, há a falsa ideia de que você precisará ficar preso a taxa do início do contrato pelos próximos dez ou vinte anos.

Felizmente, isso não é verdade e é por isso que existe a portabilidade do financiamento imobiliário.

A portabilidade é salvaguardada em lei

A portabilidade de financiamento como conhecemos hoje foi criada em 2006 por meio de uma resolução do Banco Central, a resolução de número 3.401/2006.

Basicamente a resolução permitiu que o cliente possa facilmente migrar de uma instituição financeira para outra que apresente melhores condições de pagamento sem que para isso tenha que pagar qualquer tipo de valor ou multa para a transferência.

Com outra resolução mais recente, igualmente do Banco Central, resolução de número 4.292/2013 estabeleceu ainda que as informações sobre a dívida do cliente devem ser repassadas a nova instituição em até cinco dias após a realização da transferência.

A portabilidade de financiamento imobiliário ainda não é comum

Embora haja resoluções que regulamentem e até tornem mais fáceis a portabilidade do financiamento, infelizmente por desconhecimento muitas pessoas acabam não realizando-a e seguem pagando mais caro do que deveria pelo financiamento do seu imóvel.

Para que você tenha uma ideia do que eu estou falando tenho um dado interessante para te mostrar.

Segundo o Relatório de Economia Bancária feito pelo Banco Central referente ao ano de 2019.

Grande parte dos financiamentos imobiliários estavam com taxas acima de dez por cento.

Se analisarmos a taxa Selic do ano passado, a mesma sofreu sucessivos cortes por parte do Copom e apresentou média de cinco por cento, fechando o ano em quatro e meio.

Viu como você pode estar perdendo dinheiro ao não fazer a portabilidade do seu financiamento?

Por falar em realizar a portabilidade, vamos conversar um pouco sobre como você pode fazer a portabilidade do financiamento imobiliário que você possui?

Quero fazer a portabilidade do meu financiamento, como fazer isso?

Antes de decidir pela portabilidade do financiamento é preciso que você se atenha quanto ao Custo Efetivo Total da operação, o famoso CET.

Muitos consumidores acabam sendo prejudicados com a portabilidade por avaliarem apenas a taxa de juros cobrada pelas instituições.

É claro que a taxa de juros é importante sim, afinal determina quanto você vai pagar pelo seu financiamento, mas não deve ser o fator decisivo.

É preciso que você considere o custo total da operação, ou seja, além da taxa de juros o valor do seguro que será cobrado.

De fato, a compra de imóveis está associada ao pagamento de dois seguros.

São eles: Morte e Invalidez Permanente, ou MIP, e o Danos Físicos ao Imóvel, o DIF.

Se você acredita que é muito difícil determinar o melhor banco para você, há inúmeras ferramentas online que auxiliam na comparação e determinação de qual a melhor instituição.

Caso você esteja decidido a realizar a transferência do seu financiamento o processo em si é bem simples e é feito da seguinte maneira

O primeiro passo é conversar com o gerente do banco para o qual você quer migrar o seu financiamento

De fato, a instituição que receberá o financiamento entra em contato com a instituição de origem do financiamento e solicita todas as informações referentes ao seu débito.

Como comentei acima, por meio da resolução 4.292 de 2013 do Banco Central, a instituição de origem tem o prazo de até cinco dias para repassar as informações solicitadas.

Como o financiamento imobiliário consiste em um relacionamento de longo prazo entre a instituição e o cliente, em praticamente oitenta por cento dos casos o banco de origem entra em contato com o seu cliente para oferecer taxas melhores a fim de segurá-lo na instituição.

Nesse caso, caso haja a proposta, cabe a você avaliar qual delas é melhor para você com base no custo total da operação.

Gostou de saber mais sobre como fazer a portabilidade do financiamento imobiliário?

Então não deixe de acompanhar os demais artigos do blog, tenho muitas outras novidades para você!

Por Rafael Mansberger – Especialista em crédito – @rafaelmansberger – E-mail: [email protected]

Recomenda

Últimas