Publicidade

Método dos envelopes: conheça a técnica diferente para organizar o seu dinheiro

A técnica dos envelopes é uma forma simples e prática de organizar as contas, controlar o orçamento e economizar dinheiro. Vamos te explicar detalhadamente como!

Por:

Método dos envelopes
Fonte: Google
Publicidade

Controle sobre a vida financeira é um problema e tanto para várias pessoas mas o método dos envelopes pode dar um jeito nisso.

Os motivos que as pessoas tem dificuldades?

A falta de organização, disciplina e conhecimento básico de matemática são os principais apontados, seguidos pelo pavor de planilhas e preguiça.

Para essas pessoas, usar uma estratégia diferenciada – mas bastante simples – pode ser a saída.

A técnica, que trabalha com o dinheiro vivo (em mãos), ajuda quem não gosta ou não entende as faturas, extratos e cartões de crédito.

A experiência de ver nota por nota indo embora da carteira também é outro ponto positivo para quem precisa frear os gastos.

Essa técnica é chamada de método dos envelopes, e apesar de existir há anos, poucas pessoas a conhecem.

Nos próximos tópicos, aprenda como colocá-lo em prática:

Como usar os envelopes nesse método

O primeiro passo não tem segredo: você precisa ter em mãos 10 envelopes (comprados na papelaria ou feitos à mão com folha sulfite).

Agora, precisaremos pegar cada um destes envelopes e escrever por fora a categoria da despesa e o valor que você acha que gasta por mês com cada um, ou que pretende gastar.

Por exemplo: alimentação (R$500) e transporte (R$300).

A seguir, veja um exemplo de como categorizar os envelopes:

Envelope 1 – Moradia: incluir gastos com aluguel ou financiamento, condomínio, prestação de serviço (manutenção), IPTU, seguro, contas de água e energia, TV à cabo, telefone e internet.

”               ” 2 – Alimentação/Supermercado: incluir gastos no supermercado, padaria, açougue, delivery, refeições fora de casa e entre outras despesas que incluem alimentação, limpeza e higiene.

”               ” 3 – Saúde: aqui você deve colocar os custos com o plano de saúde, seguros, exames, remédios, consultas (dentista, oftalmologista, etc.), academia e estética.

”               ” 4 – Transporte: contam gastos com o carro em geral, como combustível e manutenções, assim como uso de transporte público, táxi ou carros de aplicativos. Em caso de carro particular, inclua o valor da prestação, IPVA e seguro.

”               ” 5 – Educação: a mensalidade escolar, livros e outros materiais, uniforme, cursos extras e etc.

”               ” 6 – Extras: coloque aqui as despesas avulsas, como roupas e calçados novos, livros, salão de beleza, barbearia, presentes.

”               ” 7 – Lazer: inclua viagens, idas a restaurantes, passeios, teatro, cinema e entre outros relacionados.

”               ” 8 – Dívidas: deixe aqui tudo o que você paga com juros, como empréstimos, fatura do cartão de crédito, cheque especial e crediários.

Envelopes extras:

Envelope 9 – Reserva de emergência: a partir do segundo mês, a ideia é que você comece a poupar uma parte da sua renda mensal para construir a sua reserva de emergência.

Envelope 10 – Investimentos: neste envelope se organize para guardar, todo mês, pelo menos 10% da sua renda líquida. Esse dinheiro pode ser usado posteriormente para conquistar um sonho ou projeto que tenha em mente (casa própria, por exemplo).

Guarde ou anote os valores ao longo do mês

Durante o mês, você deve guardar dentro de cada envelope os recibos de cada despesa efetuada.

Aqui, a chave para a boa organização é colocar todos os comprovantes de pagamento nos envelopes, mesmo que o valor aparente ser irrisório (por ex.: o café com a empadinha da padaria).

Se parecer uma tarefa chata ficar pedindo os recibos, você pode ir anotando durante a semana tudo em um caderno (por categoria), somar tudo e colocar no final da semana dentro de cada envelope o valor total gasto.

Método dos Envelopes – Ajustando as expectativas com a realidade

No final do primeiro mês, some todos os comprovantes de pagamentos guardados nos envelopes e confira o resultado.

Nesse primeiro momento, é normal que você se assuste com o resultado de alguns envelopes, já que você pode estar gastando muito mais do que o imaginado em um setor.

Atualize o envelope com o valor real dos gastos.

Por exemplo: [Moradia: esperado R$1500, realizado R$1900]

Planeje-se para o segundo mês

A ideia do método dos envelopes é que você consiga reduzir gradualmente os seus gastos para conseguir colocar as suas finanças em ordem e começar a poupar.

Para deixar o exercício ainda mais difícil, você pode colocar nos envelopes o dinheiro exato para as despesas daquele mês, de acordo com cada categoria.

A proposta é gastar somente o dinheiro que está dentro do envelope, e nada mais.

Se no passo anterior você notou algum envelope “problemático” – que revelou-se um inimigo da sua carteira com um valor absurdamente diferente do que você imaginava – concentre-se nele para reduzir os gastos.

Por exemplo: se a conta de energia está vindo muito alta (por ex.: R$300), converse com toda a família para tentar reduzi-la em pelo menos 20%, diminuindo o tempo no banho, apagando as luzes quando sair de um cômodo e ir para outro e economizando no ar-condicionado.

O maior equívoco das famílias é reduzir os gastos com lazer.

Se você cortar apenas essa verba, dificilmente você conseguirá manter-se focado na organização.

Os gastos estão maiores que os ganhos?

Então, planeje uma redução de despesa em todas as categorias/envelopes e não apenas na diversão.

Comece a construir sua reserva de emergência e a investir

Assim que começar a notar resultados no seu planejamento financeiro você deve começar a pensar na sua reserva de emergência e investimentos.

A construção de uma reserva de emergência é fundamental para todas as pessoas, uma vez que todos estamos suscetíveis a imprevistos (carro quebrar, ficar desempregado, etc.).

Para quem está começando a poupar agora, cerca de 20% da receita líquida mensal deve ser destinada a essa reserva.

O ideal é que a reserva de emergência tenha o montante necessário para cobrir todas as despesas por um período de 6 meses.

Portanto, se uma pessoa tem um custo de vida de R$2000 por mês, ela precisa ter guardado R$12.000.

Por isso, o quanto antes você começar a construí-la, mais rápido você terá tranquilidade.

Este dinheiro deve ser colocado em uma aplicação que permita a retirada a qualquer momento, como o Tesouro Selic ou a própria poupança.

Os investimentos são igualmente importantes e também merecem a sua atenção.

Planeje-se para poupar nos próximos meses e anos uma parte da sua renda para realizar seus objetivos ou até para ter mais tranquilidade financeira no futuro.

Gostou do método do envelope para organizar as finanças de um jeito diferente?

Deixe o seu comentário aí embaixo dizendo o que achou!

Por Rafael Mansberger – Especialista em crédito – @rafaelmansberger – E-mail: [email protected]

Recomenda

Últimas