Publicidade

Continuar no aluguel ou financiar uma casa? Confira os principais fatores na hora da escolha

O aluguel pode ser uma alternativa interessante para quem busca independência, mas que ainda não possui uma perspectiva de vida de médio a longo prazo.

Por:

Publicidade

Fonte: Google

Quem nunca ouviu – ou até mesmo falou – a famosa expressão “aluguel é dinheiro jogado fora” que atire a primeira pedra.

O aluguel é um dos temas mais polêmicos quando o assunto é dinheiro, e muitas pessoas se recusam a considerá-lo como alternativa, preferindo recorrer aos financiamentos para ter casa própria.

Desde os nossos ancestrais, o ser humano tem a necessidade de ter um local fixo para proteger-se.

Se naquela época eram as cavernas o abrigo mais procurado, nos tempos atuais são as casas próprias.

Mas, será que a aversão aos aluguéis e a busca frenética por ter uma escritura no nome vale tanto a pena assim – do ponto de vista econômico?

Ainda existe uma crença forte no Brasil de que pagar aluguel é um dinheiro perdido.

Entretanto, as coisas não funcionam assim. Antes de cair na tentação de comprar uma casa para chamar de sua, leve em consideração os seguintes fatores:

O momento da sua vida.

Antes de escolher se vai sair do aluguel e partir para um lar fixo, é importante levar em conta a fase em que você está e os seus objetivos.

Uma pessoa que ainda pretende estudar fora, passar alguns anos no exterior ou prestar um concurso em outra cidade ou estado teria como alternativa mais viável aplicar o seu dinheiro (que usaria para a entrada do financiamento, por exemplo) em vez de investir em um local que provavelmente não será a sua casa definitiva.

Por outro lado, quem pensa em construir família e se fixar em um local para criá-los, a compra de uma casa própria se torna mais interessante.

Com filhos, estruturar a vida em um bairro, com escola, supermercado e outras facilidades por perto é uma boa opção.

O aluguel sai mais barato do que o financiamento (mensalmente)

A maioria das pessoas que quer ter a casa própria usa a desculpa que morar de aluguel é jogar dinheiro fora.

Mas será que é bem assim?

Precisamos levar em conta de que quando moramos de aluguel pagamos ao locador (proprietário do imóvel) um valor muito pequeno em troca de desfrutá-lo.

Ao fazer essa conta, não devemos pensar no valor absoluto pago mensalmente ao locador, mas sim nos percentuais.

Se você alugou um imóvel que vale R$500.000,00 e paga ao proprietário R$1.500,00 por mês, os rendimentos do locador são mais baixos do que ele teria se tivesse investido esse dinheiro.

Com as taxas de juros atuais, usando o exemplo anterior de um imóvel de R$500 mil, a parcela média de um financiamento seria de R$2.500,00.

E considerando o mesmo imóvel, o aluguel – considerando um percentual de 0,3% do valor do imóvel – não sairia por mais de R$1.500,00.

Subtraindo o valor da parcela do financiamento pelo valor do aluguel mensal, temos uma economia de R$1.000,00 optando pelo aluguel.

O aluguel pode ser uma alternativa até ter o dinheiro para comprar

Nem sempre essa conta convence a todos, já que muitos poderiam pensar “pelo menos com o financiamento, no fim o imóvel é meu”.

E é justamente aí que os investimentos têm papel importante.

Investindo o valor da entrada que você daria, e fazendo aportes mensais com o valor que você economizaria mensalmente morando de aluguel, você conseguiria juntar todo o montante necessário para conquistar a casa própria à vista, pelo menos na metade do tempo que levaria para quitar um financiamento (em média 30 anos).

Sem contar que você não faria nenhuma dívida e nem pagaria juros.

Quando pensamos em trocar o aluguel pelo financiamento não temos que considerar apenas o valor mensal, mas sim todos os outros custos envolvidos – antes e após a compra.

Ao longo de todo o tempo de financiamento, você estará pagando valores absurdos de juros e o custo efetivo – o valor total que o imóvel custará – será muito maior, principalmente se o financiamento for longo.

Antes que pedras comecem a ser jogadas, ninguém está dizendo o que é melhor para fazer – estamos apenas dando os prós e contras de cada alternativa.

Cada pessoa sabe o que é melhor para si.

Na hora de escolher se vai continuar no aluguel por mais um tempo ou apostar no financiamento, é preciso levar em conta não só os termos financeiros, como também os objetivos e valores de cada família.

Mas, o que não pode acontecer é fechar os olhos para as oportunidades e prejuízos em cada decisão.

Pense e calcule bem antes de tomar uma decisão consciente e planejada.

Por Rafael Mansberger – Especialista em crédito – @rafaelmansberger – E-mail: [email protected]

Recomenda

Últimas